09 janeiro 2012

PADRE É PADRE, POLÍTICO É POLÍTICO E PONTO FINAL

Parece modismo alguns padres enveredarem no mundo político. É bem verdade que a candidatura de um homem que supostamente é um representante de Deus aqui na terra, é bem mais conveniente a população já tão desacreditada, que outro pecador normal.
Deve ser levado em consideração o princípio da vocação, ou será que já não existe de fato a vocação pelo sacerdócio? Será que a vocação ficou para trás com a velha guarda do catolicismo?
Fica muito mais fácil principalmente em municípios pequenos, a possibilidade de eleição de um padre, principalmente pelo fato de ser uma referência da comunidade.
Muitas vezes essa referência católica, não se traduz como positiva no mundo sujo e desumano que é o formato político dos acordos, dos conchavos muitas vezes visando seus próprios interesses ou interesses partidários e aí começa a desabar o compromisso assumido na prática do bem, entrando no compartilhamento da pratica muitas vezes da falta de compromisso com seus munícipes ou com sua comunidade religiosa, passando a descriminação e a observância de fazer prevalecer o olhar aos seus eleitores e descriminando aos que votaram contra, por que na verdade essa é a prática e o modelo da política do curral que não puseram ainda um fim.
Na verdade deve haver um posicionamento da diocese na permissão ou não do sacerdote se afastar de sua missão para trilhar um mundo desonesto, praticar atos que a população repudia e após retornarem aos princípios da religiosidade como se na missão política suas ações foram sempre as ações cujos ensinamentos foram os de Jesus.
É preciso compreender que a missão do sacerdócio é completamente diferente e opositora as práticas políticas.
É preciso entender também que: “PADRE É PADRE E POLÍTICO É POLÍTICO E PONTO FINAL!
Essa é a nossa opinião!
Por Francisco Oliveira.

3 comentários:

Anônimo disse...

SEU FRANCISCO, POR FAVOR DIGA-ME ALGUMA COISA SOBRE ESTES NOMES:PADRE CÍCERO DO JUAZEIRO,MONSENHOR WALFREDO GURGEL E PADRE CORTEZ, POIS OS MESMOS ENVEREDARAM PELO MUNDO SATÂNICO E DESONESTO DA POLÍTICA E DEPOIS VOLTARAM PARA SUAS FUNÇÕES ECLESIÁSTICAS NA MAIOR NATURALIDADE E NUNCA NINGUÉM SEQUER ARGUMENTOU ALGUMA COISA CONTRA ESTES PASTORES!

Anônimo disse...

Francisquinho, depois do dessastre do prefeito de Jardim do Seridó, que contou com seu voto é que você quer que Padre seja Padre é ponto final. Agora é tarde...

Thiago Cirne Oliveira disse...

Engraçado quem faz comentários e não tem coragem de publicar seu nome. Acho que antes de fazer comentários agressivos deveria se informar a respeito do que vai falar! Desde o ano de 2000 que meus pais e eu votamos na cidade de Caicó e na ultima eleição transferi meu título eleitoral para Parnamirim. Então meu amigo ou amiga não há possibilidades do meu pai ter votado no "padre" em Jardim do Seridó. Lembrando, se identifiquem para que possamos realizar um debate melhor.